Hoje é 27 julho 2021

Cristiano Silveira cobra pagamento de férias-prêmio de servidores estaduais

Em requerimento protocolado nesta terça-feira (05/05/2021), o deputado estadual Cristiano Silveira cobra do secretário de Estado de Planejamento e Gestão, informações sobre os atrasos no pagamento de férias-prêmio, que são direito dos servidores estaduais.

“Recebemos denúncias de atrasos no pagamento de férias-prêmio, um direito dos servidores que não está sendo cumprido”, explica o parlamentar.

O requerimento pede informações sobre o número de servidores que estão sem receber o benefício e o montante de recursos necessário para que o Estado regularize os pagamentos. Cristiano também quer saber se há equidade nos pagamentos ou se alguma categoria do funcionalismo recebeu as férias-prêmio enquanto outras estão sem o benefício.

O Requerimento 8.626/21 foi encaminhado para aprovação da Comissão de Administração Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

WhatsApp Image 2021-05-05 at 17.10.40

Posts Relacionados

2 Comentário

  1. Valnice Pereira da Silva
    8 de maio de 2021 at 02:24 Responder

    Me aposentei há mais de quatro anos. Tenho cinco meses de férias prêmio pra receber e nunca recebi. O que devo fazer? Esperar ou entrar na justiça?

  2. Claudete Santos
    10 de maio de 2021 at 18:54 Responder

    Parabéns ao Deputado Cristiano Silveira, pela belíssima iniciativa! Eu e mais aproximadamente 1.500 Policiais Civis que nos aposentamos a partir do ano de 2016, estamos até o presente momento, sem receber nossa indenização pelas férias trabalhadas, posto que nossas antigas chefias nos negaram o direito de usufruí-las enquanto na ativa. Tal atitude por parte da Administração, viola nossos direitos trabalhistas, além de ferir frontalmente o dispositivo constitucional que tocante à ISONOMIA, eis que é sabido que a Administração vem pagando esses mesmos direitos a outras categorias, como por exemplo, nossa co-irmã, a Polícia Militar, integral e regularmente.
    Vários colegas Policiais Civis aposentados estão tendo que buscar o Poder Judiciário para resolução da causa, para evitar o fenômeno da prescrição da dívida que o Estado tem conosco. Não queremos nenhum tipo de privilégio por parte da Ad. Pública, apenas queremos o Estado cumpra seu dever e pague o que é devido a nós, Homens e Mulheres honrados que dedicamos toda nossa vida de trabalho em benefício da sociedade, e ainda assim continuamos contribuindo com uma altíssima carga tributária ao erário, sem nenhum tipo de contrapartida por parte do Estado, que por sua vez, se nega a reconhecer nosso direito líquido e certo!!